Oferecimento:
Menu

Publicidade
LOPES
TAXI
Z CENTER AUTO PEÇAS
COMERCIAL  BOA ESPERANÇA
OMEGA
SEMACON
LABORATÓRIO BIO CLIN
LUANA DISTRIBUIDORA DE BEBIDAS

Colunistas
Juízos apressados

Enquete

Que avaliação você faz sobre a atuação da Prefeitura no 1° biênio (2013-2014)?



 Excelente
 Bom
 Mais ou Menos (regular)
 Ruim
 Não sabem




Links

FaceBook



Tempo
Publicidade
Inviolavel
Sindicato Rural
DETETIZADORA
RICO
CASA BELA
AJES
WIZARD
GRUPO KRUPINSK
Noticias
ROCKENBACH
Com apoio da base, votação sobre Lei da Copa é adiada novamente
   21/03/2012 - 00:10:39
Fonte: MARIA CLARA CABRAL/ SIMONE IGLESIAS/ FILIPE COUTINHO DE BRASÍLIA   


Com o apoio da maioria dos partidos da base aliada ao governo, a votação da Lei Geral da Copa foi adiada novamente nesta quarta-feira.

 

O adiamento significa uma derrota política para o governo, que queria votar o projeto ainda nesta semana. Um dos principais fatores para o adiamento é a posição da bancada ruralista, que exige a votação do Código Florestal antes da Lei Geral da Copa.

 

Durante a votação pela retirada de pauta do projeto da Copa, apenas o PT, PSB, PP, PC do B e PSOL se manifestaram a favor do governo, pela votação ainda nesta quarta. Até o PMDB, principal aliado do Planalto, preferiu obstruir a votação.

 

Prevendo que sairia derrotado, o líder do governo, Arlindo Chinaglia (PT-SP), por fim também liberou a base para votar como quisesse.

 

O deputado Henrique Eduardo Alves (RN), líder peemedebista, explicou que sua posição foi para ajudar o governo, pois viu que se o texto fosse a voto hoje poderia ser derrotado."Meu receio era perder. Estou inseguro com relação a votação, queremos ganhar tempo para chegar a um acordo com relação ao Código Florestal", disse.

 

A derrota do governo acontece em meio à crise na base aliada. Na semana passada, a presidente Dilma Rousseff trocou seus líderes no Congresso. Esse foi o primeiro teste do novo líder da Câmara, Arlindo Chinaglia.

 

O recado ao governo já havia sido emitido mais cedo, durante votação de projeto sobre demarcação de terras indígenas na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça). Também impondo a sua força, a bancada ruralista aprovou a proposta contra vontade do governo.

 

No plenário, os ruralistas se uniram à bancada evangélica, que é contra a venda de bebidas alcoólicas nos estádios, para derrotar o governo.


 





Imprimir Compartilhar no Facebook Compartilhar no Twitter Compartilhar no Orkut

Grafica
IPE
Comentários:




TERMOS E CONDIÇÕES DE USO
Nome:
Email:
Endereço:
Comentário:

TopNews - Aqui você tem mais conteúdo!, Todos os Direitos Reservados. Copyright 2010 - 2015 - Desenvolvido por: NIVELDIGITAL